Propostas do CEBDS aos presidenciáveis

O insustentável silêncio dos planos de governo

Candidatos à presidência ignoram conceitos básicos de desenvolvimento sustentável

Por: Marina Grossi *

Juntos, os planos de governo dos 13 candidatos à Presidência da República somam 563 páginas, sendo que alguns possuem menos de 10 e um deles mais de 200. Juntas, as menções ao termo “sustentável” somam 75 citações, sendo que em pelo menos três deles (com menores índices nas pesquisas) sequer aparecem, e em quatro aparece como uma citação vaga que em nada esclarece sobre os reais objetivos. Falar em desenvolvimento sustentável e se posicionar como um propositor efetivo exige do candidato um indicativo mais assertivo sobre quais são os caminhos a serem trilhados. A falácia de um desenvolvimento “sustentável” no termo e inexequível na prática já consumiu recursos, tempo e paciência em demasia da combalida sociedade brasileira.

Também atrelar o termo à economia, ao social ou ao meio ambiente separadamente já deveria ser prática superada. O conceito de sustentabilidade, como apenas três candidatos citaram de maneira mais completa, abrange maior amplitude do que o reflorestamento ou os cuidados com o meio ambiente – e estes dois aspectos obviamente não podem ser esquecidos.

A sustentabilidade de uma sociedade bem constituída e pronta para o desenvolvimento com bases sólidas, provém de eficiência no uso de seus recursos naturais, com o devido cuidado para que não se esgotem; mas também deve estar fundamentada em boas políticas de educação e saúde, que permitam a redução da desigualdade da riqueza e da cultura no País. Só com maior justiça social podemos fortalecer a produção local, visando o atendimento ao mercado interno ou externo, gerando empregos qualificados que possam incorporar esses trabalhadores igualmente qualificados nos desafios que temos pela frente com a Quarta Revolução Industrial.

Uma sociedade sustentável é aquela que conhece seus direitos, que concebe suas leis para preservar o bem comum, e que busca a todo custo a preservação de seus recursos naturais como a melhor forma de garantir seu sustento ao longo de gerações futuras.

Um País sustentável sabe de seus compromissos internacionais e a necessidade de cumpri-los em prol de uma nova geopolítica que nos insira de forma ainda mais competitiva. O postulante ao mais elevado cargo executivo do País não pode fugir a esses compromissos que são de Estado e não de governos anteriores. Ele, ou ela, tem o dever de se colocar à disposição do cumprimento de acordos que beneficiem a sociedade brasileira em nível global e local.

Uma sociedade sustentável é aquela que conhece seus direitos, que concebe suas leis para preservar o bem comum, e que busca a todo custo a preservação de seus recursos naturais como a melhor forma de garantir seu sustento ao longo de gerações futuras.

Um País sustentável sabe de seus compromissos internacionais e a necessidade de cumpri-los em prol de uma nova geopolítica que nos insira de forma ainda mais competitiva. O postulante ao mais elevado cargo executivo do País não pode fugir a esses compromissos que são de Estado e não de governos anteriores. Ele, ou ela, tem o dever de se colocar à disposição do cumprimento de acordos que beneficiem a sociedade brasileira em nível global e local.

* Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável, apoiador da Plataforma 2018: Brasil do Amanhã. 

Verde
Esquerda
 

Conheça a Agenda CEBDS por um País Sustentável

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) elaborou, junto com suas empresas associadas, um documento com 10 propostas para os presidenciáveis. A Agenda CEBDS por um País Sustentável tem como objetivo colaborar com os candidatos à presidência na formulação de suas políticas de governo.

As propostas abrangem questões ligadas à energia, ao combate ao desmatamentoà precificação do carbono, ao uso da água e à equidade de gênero e raça, temas considerados prioritários para reverter o atual cenário e levar o Brasil rumo a uma economia de baixo carbono, intensa em pesquisa e inovação e com evolução significativa do seu desempenho socioambiental.

Conheça as propostas do CEBDS e cobre de seus candidatos soluções para o Desenvolvimento Sustentável do Brasil.

Esquerda
 

Participe pelas redes sociais

A Plataforma 2018: Brasil do Amanhã está no Facebook, no Twitter, no Instagram, no YouTube e no Spotify

Participe de nossas conversas, compartilhe o conteúdo e vamos juntos construir o #BrasildoAmanhã. 

Esquerda
 

A Plataforma 2018: Brasil do Amanhã

Em tempos de tanta polarização, falar de eleições e de política não tem sido fácil para ninguém. O Brasil, os brasileiros e as brasileiras necessitam debater temas que nos são caros e que nem sempre estão na pauta política, de modo a desenvolver agendas propositivas para o país neste ano tão decisivo para o Brasil.

A Plataforma 2018: Brasil do Amanhã é uma iniciativa do Museu do Amanhã, com apoio da Fundação Roberto Marinho, da Globo, da GloboNews, do Instituto Clima e Sociedade (iCS) e do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). Ela foi criada para elevar o nível da pauta política de 2018. Esperamos que os debates realizados no Museu do Amanhã e as demais ações realizadas pela Plataforma 2018: Brasil do Amanhã nas redes sociais possam ajudar a esclarecer a sociedade e aproximá-la do processo político, pois, só assim, com a sociedade participando do processo político, vamos conseguir transformar e melhorar o nosso Amanhã.