Precisamos de mais governança no saneamento

Esquerda
 

A Plataforma 2018: Brasil do Amanhã debateu Água e Saneamento, na noite de 09 de abril de 2018, no auditório do Museu do Amanhã. Na ocasião, Oscar Cordeiro Netto, diretor de Regulação da Agência Nacional de Águas (ANA), apontou que o saneamento no Brasil não depende tanto de investimentos, mas muito mais de governança.

Segundo ele, precisamos evoluir em capacitação local, em mais transparência no acesso aos recursos financeiros, em fiscalização e regulamentação do uso das águas, na cobrança da sociedade por melhores serviços e na capacidade de gerenciamento conjunto da água.

Para melhorar a governança do setor, segundo Oscar, é preciso adotar, entre outras ações, um controle social de qualidade e um estreitamento das relações federativas. Os estados devem aprimorar a regulação do setor, já que são eles os responsáveis pela maior parte da água utilizada na agricultura – atividade que mais desperdiça água – e pelos aquíferos. Muitos municípios ainda devem fazer ou mesmo corrigir seus planos de saneamento básico, que é uma exigência legal.

O diretor da ANA aponta que precisamos também estimular práticas conservacionistas, como aumento de infiltração e proteção das matas ciliares, entre os produtores rurais, o que ajuda a produzir água de melhor qualidade.

A despoluição de um corpo d’água deve ser um projeto contínuo, acompanhado pela manutenção, para evitar novas ocupações da área que façam a poluição retornar.

2018: Brasil do Amanhã - Oscar Cordeiro Netto